5 de set de 2013

Além da volta ou do que pensamos?

Além de pensar, o agir. Uma dor, uma falha, um estranho. Estranho maior? Quem poderá nos salvar de tamanha tribulação? E a dor? 

Existem caminhos de um só sentido. Ou seja, não há volta. Mas, quais são esses? Como detectar de antemão? É necessário sofrer pra não conseguir voltar ou alguém poderia ter-nos avisado? Um caminho é sempre aquele pelo qual percorremos com nossos próprios passos. Passos estes que podem nos levar ao certo ou errado. Mas, quem sabe isso? Eu escreve linhas tortas e ruins, num português falho de quem passou um ano inteiro sem a coragem de publicar um texto sequer. 

Mas, após esse tempo todo, a gente ou constata a volta ou não. Será que estou além da volta? Ou seja, num ponto onde ela não existe mais? O que deverá acontecer para que o momento da volta seja verdadeiro e o resto desapareça? A mudança é permanente?

Medos e dificuldades. Isso caracteriza uma vida, um caminho. Espero estar além do que penso, apenas. Que a volta seja real.

Nenhum comentário:

Postar um comentário